Amazonas Manaus

Combate contra Covid realizado pela prefeitura de Manaus é prejudicado por Anne Margareth

  • janeiro 20, 2022
  • 5 min read
Combate contra Covid realizado pela prefeitura de Manaus é prejudicado por Anne Margareth

Manaus – Enquanto o prefeito de Manaus David Almeida (Avante) acompanhava e coordenava os trabalhos no novo Centro Municipal de Testagem para Covid-19 no Centro de Convenções Vasco Vasques inaugurado na última quarta-feira (19/1) para tentar suprir a alta demanda por testes de Covid-19 à população manauara, um veículo de comunicação representado pela advogada Anne Margareth causou transtorno no local e tentou capitalizar politicamente a situação acusando a prefeitura de “estar promovendo aglomeração”.

Alta demanda

Desde as últimas duas semanas do mês de Janeiro, a cidade vive uma cenário de intensa procura por testes de Covid. Não apenas nos serviços públicos, mas nas redes privadas de farmácias que relataram tanto a escassez, que eleva o preço dos testes, quanto o intenso movimento e lotação em seus estabelecimentos. Se no serviço privado as coisas andam mal, devido a variante Ômicron, imagine nos postos de saúde públicos que tem a fama da vagarosidade e não diligência de muitos funcionários – inclusive relatadas em matérias do próprio veículo de comunicação de Any Margareth no dia 11 de Janeiro.

Por isso mesmo a estratégia adota pelo prefeito David Almeida para fiscalizar os serviços prestados à população foi abrir grandes Centros de Testagem que: 1 – “aliviariam as UBS que possuem quantidades de testes limitados. 2 – Teria um acompanhamento direto dos Secretários e autoridades públicas vigiado se os serviços estão sendo bem executados”.

Este objetivo foi atingido tanto no Vasco Vazques quanto no centro de testagens do Studio 5, que disponibilizam 40 estações de notificação, onde é feito o atendimento inicial do usuário; e 20 estações de coleta, com capacidade para a realização de 200 testes e emissão de resultado, por hora. Vale salientar que dentro do Centros de Testagem, os protocolos de segurança são rigidamente mantidos.

Centro de Testagem no Centro de Convenções Vasco Vasques (Foto: Felipe Campinas)

 

Mas se por um lado os Centros de Testagem resolvem o problema da fiscalização sobre as UBS, por outro lado a população passa a voltar os olhos a estes Centros que inevitavelmente ficarão superlotados, ao menos nos primeiros dias. Isto é pura oferta e demanda econômica, algo que a esquerda nunca foi boa em atestar. Muitos se submetem às grandes filas porque entendem que “é melhor se sacrificar um pouco com a certeza de um que o serviço será prestado, do que a incerteza de não ser atendido e perder tempo”.

Postura

E aqui segue a grande diferença entre a denúncia e a difamação, entre o agir jornalístico a militância política. Se aproveitando da problemática econômica das grandes filas, ao invés de tentar orientar e dar sugestões sobre a melhora do trabalho da prefeitura no Centro Vasco Vasques, Any Margareth resolveu adotar a postura de criar o “caos”. Mesmo tendo acesso privilegiado como imprensa, podendo conversar tanto como o Prefeito e os Secretários para sugerir a organização das filas externas do Centro de Testagem Vasco Vazques, ela preferiu militar e lacrar, acusando o chefe do executivo municipal de “promover aglomeração”.

A alegação não poderia ser mais falaciosa e típico da esquerda pandemínion, que procura manter as pessoas ansiosas e assustadas para podê-las manipular mais facilmente.

Sofismas e desinformação

David Almeida deixa bem claro que as Unidades Básicas de Saúde (UBS) estão fazendo o papel de tentar descentralizar a realização da testagem, atendendo entre 100 e 120 pessoas por dia e só não atendem mais por conta da escassez de testes, por conta da alta demanda. Neste momento ele também explica a importância do Centro de Testagem do Vasco Vasques tem sido o principal aporte às pessoas, tanto a quem não tem condições de pagar pelo teste, quanto quem não está conseguido realizar pelas UBS: “nós achamos necessária a abertura destes espaços para atender muito mais gente”, enfatiza Almeida.

Ainda assim, não querendo buscar a verdade ou ajudar a sugerir soluções para gerir a organização no local como um bom cidadão faria, Any Margareth enfoca em militar politicamente, criar caos e acusar o prefeito de “promover aglomeração” e neste momento mesmo recebe a resposta sobre sua hipocrisia.

Veja vídeo:

Hipocrisia

Por que Any Margareth não falou nada sobre os show de Gustavvo Lima pra “VIPS” antes do estouro da Ômicron em Manaus ? Ao contrário, ajudou a promovê-lo junto a agenda “progressista” ! A resposta ? Se está do lado da “lacração esquerdista”, aglomeração nunca será um problema.

créditos: portal cm7