Manaus Polícia

Suspeito de ser mandante da morte de empresário é preso em Manaus

  • abril 10, 2022
  • 2 min read
Suspeito de ser mandante da morte de empresário é preso em Manaus

A Polícia Civil prendeu um homem, de 34 anos, suspeito de ser o mandante do homicídio de seu sócio e empresário Rafael Moura Cunha, que tinha 40 anos. O crime ocorreu na noite do dia 2 de dezembro de 2021, após a vítima deixar seu estabelecimento no conjunto Eldorado, bairro Parque Dez de Novembro, zona centro-sul de Manaus.

Durante coletiva de imprensa realizada na sede da Delegacia de Homicídios, o delegado-geral adjunto da PC-AM, Bruno Fraga, relatou que foi possível constatar que o suspeito ordenou a morte de seu sócio Rafael. O delegado disse, também, que o homem contratou dois suspeitos para executarem o crime.

“Constatamos que a sociedade que eles tinham estava avaliada em R$ 400 mil, porém, Julian entrou com cerca de R$ 100 mil no negócio e ficou devendo o restante ao empresário, que passou a cobrá-lo incisivamente. Essa motivação patrimonial levou Julian a planejar a morte de Rafael”, explicou o delegado, por meio da assessoria.

Um dos suspeitos contratados, que é ex-presidiário, já foi localizado e preso no dia 25 de março deste ano, e outro envolvido continua sendo procurado pela polícia.

Segundo a polícia, inicialmente os executores receberam a quantia de R$ 6 mil, mas após a morte da vítima, o mandante herdou o estabelecimento comercial e passou a realizar pagamentos semanais para os infratores. Verificamos por meio das imagens de câmeras de segurança do circuito interno de uma casa lotérica, o momento em que ele realizava os depósitos.

O suspeito de ser mandante do crime foi preso no estabelecimento comercial no bairro Parque Dez de Novembro. E durante buscas em sua residência, localizada no conjunto Hiléia, bairro Redenção, zona centro-oeste, os policiais encontraram os comprovantes dos depósitos que ele realizava para os executores.

O infrator foi indiciado por homicídio qualificado e será encaminhado à Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde passará por audiência de custódia e ficará à disposição do Poder Judiciário.